“Alguns dizem que ele foi um dinossauro desde o nascimento. O tamanho, a falta de visibilidade, a absurda velocidade em linha reta e o desafiador comportamento dinâmico. A Lamborghini estava em problemas quando começou a projetar o Diablo, e  isso se mostrou em inúmeros aspectos. Mas ele também tinha muitos pontos a favor. O V12 era o centro de seu apelo, um monstro de 500 cv. O som fenomenal que ele fazia era tão politicamente incorreto quanto o carro em si, e isso é o que o Diablo foi: um diabo da velha escola, que intoxicava tanto quanto enfurecia”

Revista inglesa Octane

“Violentamente rápido e imponente, com desempenho monstruoso e visual ultrajante, mas prejudicado pela suspensão áspera, o câmbio com operação desagradável e a posição de dirigir muito ruim”

Revista inglesa Autocar

“Em marcha-lenta, as vibrações do motor viajam pela parede de fogo [que separa a cabine do compartimento do motor] até suas costas. Não há tentativa de ser sutil aqui: a potente aspereza do motor o faz saber que uma enorme quantidade de cavalos está a um toque do pé direito. (…) Como que recebendo uma instantânea carga de adrenalina, todos os 12 cilindros explodem com um ronco gutural e entregam o que parece uma quantidade infinita de torque “

Revista norte-americana Road & Track

“O interior era um pouco apertado, sobretudo para as pernas, e o acesso por baixo das portas-tesoura e sobre as soleiras era um tanto difícil. O ar-condicionado não servia para muita coisa, a alavanca de câmbio tinha uma posição talvez aleatória, o painel era horrível e a visibilidade traseira inútil”

Revista inglesa Octane

“Quando se afunda o acelerador a,digamos, 160 km/h, o V12 urra, berra como um tiroteio em um desfiladeiro. E com esse urro vem uma vibração urgente, não de um motor desbalanceado, mas do puro empurrão do propulsor ao chassi tubular do Diablo. É como um gigante tencionando os músculos, tremendo enquanto ele se estende”

Revista inglesa Car

“Ele não chega perto de ser perverso como o Countach, mas ainda exige habilidade e respeito. Antes que possa encarar o Diablo, você deve perceber que, em vez de tentar agradar por ser equilibrado e previsível, o 12-cilindros quer propor um desafio. Ele dará satisfação apenas aos que puderem lidar com seus defeitos. O Diablo certamente fez meus olhos brilharem mais que qualquer outro carro que eu tenha dirigido por muito, muito tempo”

Revista inglesa Car

“Não era para os fracos de coração: era uma besta a ser domada por um verdadeiro homem. Apesar da largura de seus pneus traseiros, rápidas saídas muitas vezes os deixavam fazendo fumaça, a tal ponto em que era quase impossível dar todo acelerador ao Diablo até que ele estivesse em terceira marcha, bem acima de 110 km/h”

Revista inglesa Octane

Tradução: Fabrício Samahá www.bestcars.com.br